Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Sobre o 1ºBPChq

1º BPChoque
1º BPChoque

lA 10 de março do ano de 1964, face aos grandes movimentos existentes do Brasil, a 2ª Companhia do 3º Batalhão de Infantaria, hoje 3º BPM, passou a denominar-se COMPANHIA DE SEGURANÇA. Da-se os primeiros passos para uma unidade de operações especiais em nossa corporação. O seu primeiro comandante, com essa nova missão foi o Capitão NILO SILVA FERREIRA.

Em 1º de setembro de 1964, conforme tornou público o Boletim Geral nº 209 essa fração tornou-se independente, recebendo o nome de COMPANHIA DE POLÍCIA MILITAR.

Com a extinção da Guarda Civil e de Trânsito, em 1967, coube a unidade a execução dos serviços de trânsito, paralelamente as atividades de choque e patrulha militar, sua missão gêneses.

Em 13 de agosto de 1974, a Companhia PM, assumiu a denominação de COMPANHIA DE POLÍCIA DE CHOQUE. Ato este, chancelado no Decreto Governamental nº 23.246 do mesmo ano.

Em 04 de agosto de 1981, a companhia é elevada a condição de BATALHÃO DE POLÍCIA DE CHOQUE. O comandante à época era o Tenente Coronel PM GILBERTO PIRILO DE MACEDO. 

Em 23 de dezembro de 1993, através do Decreto Estadual nº 35018, em homenagem ao oficial deste OPM, que tombou no cumprimento do dever, o Batalhão de Polícia de Choque, recebeu o nome de BATALHÃO - CAPITÃO ANDRÉ LAGO PÁRIS, ficando assim, instituído o patrono da unidade.

No ano de 1995, o Batalhão passou a contar nas suas fileiras de efetivo feminino, as quais realizam um papel fundamental nas atividades da unidade, entre as quais se destaca as revistas em presídios femininos, estádios de futebol e no cumprimento de ordem judicial.

Haja vista as mudanças estruturais, legislativas e filosóficas que passou as polícias brasileiras, em especial as militares, após a promulgação da carta constitucional de 1988, no final dos anos 90, as unidades de polícia de choque assumiram novos papeis, diferente das décadas de 60, 70 e 80.

O Batalhão de Polícia de choque, no ano de 1998 passa a denominar-se BATALHÃO DE OPERAÇÕES ESPECIAIS, embora entre suas missões fossem às atividades repressivas de polícia de choque, o BOE, passou a desenvolver, dentro da filosofia de polícia cidadã, que norteiam as policiais militares, novas técnicas e táticas, utilizando armas e munições não letais, defesa pessoal e qualificando profissionalmente seus homens, assim cria-se dentro da unidade o GRUPO DE AÇÕES TÁTICAS ESPECIAIS - GATE, visando a preservação da vida e dos direitos do cidadão, no gerenciamento de ocorrências de alto risco criado através do DECRETO Nº 33.512, DE 3 DE ABRIL DE 1990, que alterou a Lei de Organização Básica da Brigada Militar do Estado.

O BOE atua em apoio as unidades do CPC, CPM, VRS e CRPO- Litoral através de suas frações especializadas:

A. As COMPANHIAS DE CHOQUE – 1ª e 2ª Cia, atuam especialmente em missões de busca, apreensão, controle de distúrbios e apoio ao policiamento acompanhando a execução de missões de alta periculosidade, sendo seus policiais militares altamente qualificados e treinados.

B. CANIL, BATEDORES MOTOCICLISTAS – 3ª Cia, onde desempenham papeis fundamentais no gerenciamento de crises, escoltas de dignitários e busca e apreensão de drogas e armas, bem como mandados de prisão, utilizando cães treinados para faro e patrulha.

C. As PATRULHAS ESPECIAIS – PATRES, 4ª Cia, esta criada para o combate direto à criminalidade, atendendo as mais diversas e difíceis ocorrências que surgem no dia a dia da nossa comunidade, tanto na capital quanto no interior do Estado.

Seu atual comandante é o Tenente-Coronel Cesar Augusto Guindani.

Conteúdos relacionados

Brigada Militar