Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Sobre o 3° RPMon

CRIAÇÃO DO REGIMENTO CEL PELLEGRINO 

O Terceiro Regimento de Cavalaria foi criado através do Decreto nº 4.582, de 09 de outubro de 1930. “O Presidente do Estado do Rio Grande do Sul, de conformidade com a Constituição, Art. 20, nº 10, resolve criar com a numeração de Terceiro (3º) e com a mesma composição das Unidades idênticas existentes mais um Regimento de Cavalaria da Brigada Militar, o qual terá por sede a cidade de Alegrete. – Façam-se as devidas comunicações.” Palácio do Governo em Porto Alegre, 07 de outubro de 1930. (a) Getúlio Vargas- Presidente do Estado do Rio Grande do Sul. Conforme Boletim Interno nº 001 de 17 de outubro de 1930. 

ORGANIZAÇÃO 

Criado em 07 de outubro de 1930, somente em 14 de outubro de 1930 é que foi organizado, com apenas dois Esquadrões, com um efetivo composto por 151 homens, sendo o seu primeiro Comandante o Tenente Coronel JORGE PELLEGRINO CASTIGLIONI.

Foram classificados no regimento 25 oficiais, sendo que se apresentaram em 14 de outubro de 1930 apenas 11 oficiais.

O 3º esquadrão foi organizado em 21 de outubro de 1930 com um efetivo composto por 12 praças.

Após o término da Revolução de 1930, apresentou-se um número significativo de voluntários, sendo então, preenchidos os efetivos do 1º, 2º, 3º Esquadrão e sendo organizado o 4º Esquadrão em 01 de novembro de 1930.

 Na cidade de Alegrete, ocupou primeiramente o Quartel do BCI, e posteriormente, os Hangares da extinta Terceira Esquadrilha de Bombeiros.

No dia 09 de janeiro de 1931, às 17h30min, o Regimento composto por 18 oficiais e 461 praças, embarcou na cidade de Alegrete com destino a Passo Fundo, cidade escolhida para ser a sede definitiva.

Em sua passagem o Regimento deixou destacamentos nas seguintes localidades: Júlio de Castilhos, Tupanciretã, Cruz Alta, Palmeira das Missões, Ijuí, Santo Ângelo, Santa Rosa e São Luiz Gonzaga.

Em 11 de janeiro de 1931, às 20h15min, o Regimento chegou a Passo Fundo, instando-se no lugar denominado Bairro Cruzeiro. Conforme Boletim Interno nº 012 de 12 de janeiro de 1931. 

DENOMINAÇÕES DO 3º REGIMENTO DE CAVALARIA 

Com o Decreto nº 12.280, de 21 de abril de 1961, o 3º Regimento de Cavalaria passou a denominar-se 2º BATALHÃO POLICIAL.

Com o Decreto nº 19.466, de 16 de dezembro de 1968, teve sua denominação alterada para 3º REGIMENTO DE POLÍCIA RURAL MONTADA ( 3º RPRMon).

Através do Decreto nº 23.246, de 13 de agosto de 1974, o 3º Regimento de Polícia Rural Montada, passou a denominar-se Terceiro Regimento de Polícia Montada (3º RPMon).

Em 19 de junho de 1978, em ato solene realizado no Gabinete do Comandante do Regimento, foi inaugurada a Galeria de Retratos dos Comandantes do Regimento, pelo Sr Comandante Geral da Brigada Militar, Coronel Cândido José Ribas da Silva, com a foto do Coronel Carlos Machado de Barros, que comandou a Unidade no período de 1968 a 1975.

PRINCIPAIS EVENTOS HISTÓRICOS 

A REVOLUÇÃO CONSTITUCIONALISTA 

O 3º Regimento participou ativamente na Revolução constitucionalista de 1932, mais especificamente nos combates da Fazenda Cipriano Mello, de Itataré, Itaporanga, Ribeirão Vermelho, Faxina e em Santa Cruz do Lopes. 

No dia 10 de julho de 1932, às 10h30min, em virtude do movimento revolucionário no Estado de São Paulo, o Regimento recebeu ordens de embarcar com destino àquele Estado, fazendo parte da vanguarda das forças em operação no fronte sul, sob o comando do General Waldomiro Lima.

O Regimento tomou parte saliente na luta cruenta, onde teve seu batismo de fogo ao investir contra as trincheiras da Fazenda Cipriano de Mello, seguindo-se após o co9mabte de Itararé, onde o Regimento entrou triunfante, dois dias após o combate.

Seguram-se daí as ocupações das cidades de Santa Cruz dos Lopes, Itararé, Itaporanga, Ribeirão Vermelho e Faxina, e em 08 de agosto o Regimento travou  novo combate com as forças revolucionárias na cidade de Itaporanga, onde orgulhosamente desalojou o inimigo em exultante vitória.

Todos estes combates deram ao 3º Regimento de Cavalaria um galardão de glórias, que hoje cultivamos com emoção, como parte do magnífico patrimônio de bravura e valor, que nos legaram os póstumos, escrevendo com seu sangue páginas imorredouras de heroísmos e exação ao cumprimento do dever.

Finalmente, cessada a revolução, o Regimento embarcou da cidade de Faxina, Estado de São Paulo, de regresso ao Rio Grande do Sul, no dia 08 de outubro, tendo chegado a Passo Fundo no dia 12 de outubro, às 19h30min. 

INSTALAÇÃO DA SEDE PROVISÓRIA DO GOVERNO DO ESTADO 

No dia 01 de abril de 1964, às 22 horas, o então 2º Batalhão Policial recebeu em seu aquartelamento o então Governador do Estado, Dr Ildo Meneguetti, o qual transferia naquele momento o seu governo para a Sede do 2º Batalhão Policial.

Transcrição do Boletim nº 63 de 02 de abril de 1964: 

Excelentíssimo Senhor Governador do Estado, Sr Ildo Meneghetti, desembarcou nessa cidade, ontem às 1830 horas, instalando a sede do Governo, no quartel deste 2º Batalhão Policial.

Sua Excelência, despachou durante todo o dia de hoje, no gabinete deste Comando, tendo nêste período sido visitado pelas mais altas autoridades Federais, Estaduais e Municipais.

Acompanham sua Excelência, os Chefes da Casa Civil e Militar, Dr Plínio Cabral e Coronel Orlando Pacheco, respectivamente, bem como, Excelentíssimo Senhor Secretário dos Negócios da Segurança Pública do Estado, Dr Poty Medeiros.

Ao chegar a Sede do 2º Batalhão Policial, o Governador Ildo Meneghetti expediu o seguinte: 

Soldados!

Transferi, neste momento, meu gôverno para esta Unidade. Não sei qual o destino que nos guarda, nem os sacrifícios que teremos de fazer. Mas sei que devemos cumprir com honra o novo dever de lutar com dignidade por aquilo que julgamos justo e certo. Chegou a hora em que o Rio Grande pede o sacrifício supremo de seus filhos. Não negaremos esse sacrifício. Seguiremos nossa tradição de lutas. Não falharemos ao Brasil nesta hora de angústia, mas também de glória porque a pátria se ergue para liberta-se da demagogia, da opressão, da mentira e da corrupção. O gôverno está presente nesta luta. Recebi um mandato do povo para exêrce-los nas horas boas e nas horas amargas. Aqui estou para exercer minhas funções de Governante nos termos da Constituição, e para tomar tôdas as medidas visando levar avante a luta pela libertação de nosso povo, juntamente com bravos companheiros de Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Goiás, do norte e de tantos outros lugares. Não estamos sós. Conosco está todo o nosso povo. Estão as mulheres, os trabalhadores espoliados pela infração, os comerciantes, os industriais todos aquêles que querem e sonham com a Pátria. Soldados!Lutamos pelos nossos. Lutamos pela dignidade da Pátria. Que cada um cumpra com o seu dever. Ass Ildo Meneghetti- Governador- Passo Fundo, Q G da Libertação, 1/4/64, 22 horas. 

PRONUNCIAMENTO: 

Sua excelência, o Senhor Governador do Estado, Dr Ildo Meneghetti, ao instalar provisoriamente a Sede de seu Governo, neste Batalhão, fez o seguinte pronunciamento:

“Definindo-se a situação Nacional, com a vitória das forças da democracia e da liberdade, dirijo-me, de Passo fundo, sede do meu Governo, a todos os Rio Grandenses, apelando para que se restabeleça a ordem e a tranquilidade. Aos cidadãos que, neste episódio, assumiram posição de responsabilidade, endereço meu caloroso e veemente apelo no sentido de que cessem tôda e qualquer resistência, a qual só poderia derramar sangue sem proveito e sem vantagem alguma. A República tem novo Presidente, conforme comunicação oficial que o Governador do Estado já recebeu. Desta forma restabeleceu-se a normalidade constitucional. Elementos insensatos, especialmente, em Porto Alegre, apelam para uma resistência que não tem mais sentido, seja pela falta absoluta de forças, seja pelo fato de que o nosso povo não deseja ser escravo do comunismo. Espero que os poucos que ainda mantém forças em seu poder, compreendam a realidade do quadro nacional e cooperem com as autoridades- constituídas para evitar um inútil derramamento de sangue. Chegou a hora da paz e do entendimento. O Brasil sempre venceu suas crises sem derramar sangue. Sigamos esse exemplo histórico. Quero agradecer ao povo de Passo Fundo, as forças armadas, a gloriosa Brigada Militar, a carinhosa acolhida que recebi, eu e meus companheiros de Governo. Ao tomar esta atitude, estava certo de que, na valorosa cidade de Passo Fundo, encontraria apoio necessário para organizar as forças de libertação do nosso Estado a combater com eficiência a tentativa de implantar no País uma ditadura comunista. Agora, marcharemos para Porto Alegre. Podem ficar tranquilo os Rio Grandenses. Dispomos de forças mais que suficientes para manter a ordem, a tranquilidade e a liberdade do povo. O Rio Grande do Sul, convocado pelo Brasil, mais uma vez cumpriu o seu dever.”Em ...02/04/64- Ass Ildo Meneghetti- Governador do Estado.

(Transcrição do Boletim do Batalhão nº 65, de 06/04/64) 

O Governador retornou para Porto Alegre no dia 03/04/1964, às 05:00horas, quando o Tenente Coronel Victor Hugo Martins iniciou a marcha com destino a Porto Alegre para conduzi-lo. As tropas do 2º Batalhão Policial após a ocupação do Palácio Piratini pelo Governador do Estado, ocuparam as dependências do Ginásio da Brigada Militar, onde passaram a noite, tendo no dia 04 de abril de 1964, às 17 horas, iniciado a marcha de regresso a Passo fundo, onde chegaram às 08h30min do dia 05 de abril de 1964.

Brigada Militar